Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/2516
Título: Toxicidade dos óleos essenciais sobre Thaumastocoris peregrinus, Cleruchoides noackae e na indução de resistência em Eucalyptus benthamii
Título(s) alternativo(s): Toxicity of essential oils on Thaumastocoris peregrinus, Cleruchoides noackae and the induction of resistance in Eucalyptus benthamii
Autor(es): Stenger, Luma Dalmolin
Orientador(es): Potrich, Michele
Palavras-chave: Eucalipto
Essências e óleos essenciais
Plantas - Efeito dos inseticidas
Eucalyptus
Essences and essential oils
Plants - Effect of insecticides on
Data do documento: 28-Jul-2017
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Dois Vizinhos
Citação: STENGER, Luma Dalmolin. Toxicidade dos óleos essenciais sobre Thaumastocoris peregrinus, Cleruchoides noackae e na indução de resistência em Eucalyptus benthamii. 2017. 64 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, 2017.
Resumo: As plantações de eucalipto no Brasil vêm sofrendo ataque de insetos exóticos, causando perdas significativas nesta cultura. Thaumastocoris peregrinus alimenta-se da seiva das folhas do eucalipto, o que promove redução na taxa fotossintética, desfolha e, em alguns casos, a morte da planta. Contudo, métodos de controle alternativo estão sendo estudados para reduzir e/ou eliminar os problemas associado a esse inseto e ao uso de produtos fitossanitários sintéticos. Deste modo, o presente trabalho objetivou avaliar a toxicidade dos óleos essenciais de Melaleuca alternifolia, Casearia sylvestris e Eugenia uniflora sobre T. peregrinus, a seletividade de E. uniflora ao parasitoide de ovos Cleruchoides noackae e o potencial destes óleos como indutores de mecanismo de defesa em Eucalyptus benthamii. Para isso, avaliou-se a mortalidade de T. peregrinus, após entrar em contato com os óleos essenciais (1,0%), selecionando-se o óleo de E. uniflora para ser avaliado em diferentes concentrações sobre adultos, ninfas de 3° ínstar e ovos de T. peregrinus, e sobre o parasitoide de ovos C. noackae. A seletividade sobre este parasitoide foi analisada no pré-parasitismo, pós-parasitismo (1 dia) e pós-parasitismo (7 dias). Avaliando a porcentagem de ovos parasitados por C. noackae, porcentagem de C. noackae emergidos, razão sexual de C. noackae e porcentagem de ninfas de T. peregrinus eclodidas. Os óleos essenciais foram analisados por cromatografia em fase gasosa. O teste de indução de resistência teve objetivo de avaliar os mesmos óleos essenciais, como indutores de mecanismos de defesa em E. benthamii. Foram realizados dois bioensaios, 1) pulverizou-se os óleos essenciais e depois de 30 dias realizaram-se as análises bioquímicas dos tecidos foliares, avaliando-se açúcares totais, proteínas, peroxidases, fenilalanina amônialiase (FAL) e fenóis. 2) sete dias após a primeira análise pulverizou-se novamente os óleos essenciais e depois de 3 dias avaliaram-se os parâmetros citados anteriormente. No teste de toxicidade verificou-se a mortalidade de T. peregrinus (100%), após contato com óleo essencial de E. uniflora (1,0%), e este, na concentração de 0,75% apresentou potencial inseticida sobre adultos, ninfas de 3° ínstar e ovos de T. peregrinus. Este óleo foi seletivo a C. noackae quando aplicado pós-parasitismo (1 dia). Quando aplicado pré-parasitismo e pósparasitismo (7 dias) afetou os parâmetros biológicos deste parasitoide. Os compostos majoritários encontrados no óleo essencial de M. alternifolia foram, 1,8-cineol (72,31%) aterpineol (8,55%), em C. sylvestris foram g-muroleno (19,55%), a-zingibereno (15,24%) e samorfeno (13,17%) e em E. uniflora calamen-10-ona (20,20%), silfiperferol-6-em-5-ona (10,06%), germacrona (6,61%). Os óleos essenciais de M. alternifolia, C. sylvestris e E. uniflora não promoveram aumento significativo dos níveis de açúcares totais, proteínas, peroxidase, FAL e fenóis ao serem analisados aos trinta dias após a pulverização. Os mesmos óleos pulverizados e analisados após três dias possuem potencial como indutores de mecanismos de defesa em mudas de E. benthamii.
Abstract: Eucalyptus plantations in Brazil have been attacked by exotic insects, causing significant losses in this crop. Thaumastocoris peregrinus feeds on the sap of the eucalypt leaves, which promotes a reduction in the photosynthetic rate, defoliation and, in some cases, the death of the plant. However, alternative control methods are being studied to reduce and/or eliminate the problems associated with this insect and the use of synthetic phytosanitary products. The objective of this work was to evaluate the toxicity of the essential oils of Melaleuca alternifolia, Casearia sylvestris and Eugenia uniflora on T. peregrinus, the selectivity of E.uniflora to the parasitoid eggs of Cleruchoides noackae and the potential of these oils as inducers of defense mechanism in Eucalyptus benthamii. For this purpose, the mortality of T. peregrinus was evaluated after contact with the essential oils (1,0%), and the oil of E. uniflora was selected to be evaluated in different concentrations on adults, 3° instar nymphs And eggs of T. peregrinus, and on the parasitoid of C. noackae eggs. The selectivity on this parasitoid was analyzed in pre-parasitism, post-parasitism (1 day) and post-parasitism (7 days). Evaluating the percentage of eggs parasitized by C. noackae, percentage of C. noackae emerged, sexual ratio of C. noackae and percentage of T. peregrinus nymphs hatched. The essential oils were analyzed by gas chromatography. The resistance induction test had the objective of evaluating the same essential oils as inducers of defense mechanisms in E.benthamii. Two bioassays were performed, 1) the essential oils were pulverized and after 30 days the biochemical analyzes of the foliar tissues were performed, evaluating total sugars, proteins, peroxidases, phenylalanine ammonia-lyase (FAL) and phenols. 2) seven days after the first analysis the essential oils were again sprayed and after 3 days the parameters mentioned above were evaluated. In the toxicity test, mortality of T. peregrinus (100%), after contact with E. uniflora essential oil (1,0%) was verified, and at 0,75% concentration showed insecticidal potential on adults, 3° instar nymphs and T. peregrinus eggs. This oil was selective to C. noackae when applied after parasitism (1 day). When applied pre-parasitism and post-parasitism (7 days) affected the biological parameters of this parasitoid. The major compounds found in the essential oil of M. alternifolia were, 1,8-cineol (72.31%) a-terpineol (8.55%), in C. sylvestris were g-murolene (19.55%), (15.24%) and s-amorphene (13.17%) and in E. uniflora calamen-10-one (20.20%), silfiperferol-6-em-5-one (10.06%), , Germacrona (6.61%). The essential oils of M. alternifolia, C. sylvestris and E. uniflora did not promote a significant increase in the levels of total sugars, proteins, peroxidase, FAL and phenols when analyzed within 30 days after spraying. The same oils sprayed and analyzed after three days have potential as inducers of defense mechanisms in E. benthamii seedlings.
URI: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/2516
Aparece nas coleções:DV - Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DV_PPGSIS_M_Stenger, Luma_2017.pdf1,21 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir
DV_PPGSIS_M_Stenger, Luma Dalmolin_2017.pdf1,21 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.